Compartilhar, , Google Plus, Pinterest,

Imprimir

Publicado em:

Trabalho de inclusão social da PUC Goiás é reconhecido na Assembleia Legislativa

Docentes do Programa de Referência em Inclusão Social receberam certificados de honra ao mérito pelos trabalhos desenvolvidos em prol de práticas inclusivas

O Programa de Referência em Inclusão Social (Pris) da PUC Goiás recebeu homenagem na manhã desta sexta-feira,5, na Assembleia Legislativa do Estado de Goiás, em sessão especial proposta pelo deputado Thiago Albernaz. Durante o evento foram homenageadas pessoas com autismo, deficiências diversas e Síndrome de Down, como também profissionais que prestam serviço a pessoas com condições especiais. Ao todo, 44 personalidades e instituições receberam o Certificado de Honra ao Mérito.

A coordenadora do Pris, profa. Juliana Hannum, e a coordenadora do Projeto Alfadown, profa. Luciana Brito, estiveram na sessão e foram homenageadas pelos trabalhos desenvolvidos em prol da inclusão social. “É um reconhecimento do serviço prestado à comunidade promovido pela Extensão da PUC Goiás. Essa homenagem valida e confirma nosso eixo de trabalho com a inclusão social e fortalece nossas práticas inclusivas. Tenho muita gratidão pela PUC e agradeço a oportunidade de trabalhar na extensão e com uma equipe tão proativa e sensível ao cuidado”, declarou a gestora do Pris.

O Pris é um programa permanente de extensão da PUC Goiás que tem como objetivo agregar os trabalhos realizados nesta universidade sob a perspectiva da inclusão e dialogar com diferentes instituições e movimentos sociais a fim de contribuir com o debate acadêmico, pesquisa e transformação social.

É composto por três projetos de extensão: o Projeto Aprender a Pensar (PAP), voltado ao desenvolvimento de capacidades e competências de pensamento e criatividade de crianças e adolescentes com altas habilidades/superdotação; o Projeto Alfadown, cujo objetivo é facilitar a alfabetização e/ou a inclusão digital de pessoas com Síndrome de Down por meio de recursos da informática e o Projeto Acessibilidade Comunicacional no Centro Cultural Jesco Puttkamer, com o objetivo de adequar a exposição ao público com deficiência visual.