Compartilhar, , Google Plus, Pinterest,

Imprimir

Publicado em:

Aula inaugural da Enfermagem promove mesa-redonda com egressos

Ex-alunos de turmas recentes conversaram com os calouros e veteranos sobre oportunidades e a carreira após a graduação

© by Wagmar Alves

Um dos cursos de graduação com o selo de excelência no país, por avaliação máxima do Ministério da Educação, o bacharelado em Enfermagem da Escola de Ciências Sociais e da Saúde da PUC Goiás promoveu na última sexta-feira, 17, sua aula inaugural para o semestre.

Com o objetivo de discutir a carreira e as diferentes áreas de atuação de um enfermeiro, o curso optou por trazer egressos recentes que já se destacam no mercado. “Trazê-los diz muito sobre o que é fazer Enfermagem na PUC Goiás. É um curso de respeito e tradição, que prioriza a excelência e com muita aceitação do mercado e esses egressos são reflexo disso”, explica a coordenadora do curso, professora Vanusa Claudete, ao destacar, na trajetória dos ex-alunos, a dedicação além da sala de aula. “São pessoas que se envolveram com o curso e com as oportunidades que surgiram na universidade. Eles são diferenciados”.

Entre os cinco egressos convidados, a jovem Andressa Ferruch Pimentel, 26, que já ocupa o cargo de coordenadora do Núcleo de Segurança do Paciente e Gestão de Qualidade do Hospital Samaritano, em Goiânia. Área nova e desafiadora, como ela mesma define, a gestão da qualidade hospitalar tem ganhado cada vez mais importância nas grandes cidades. Defendendo que a visão global do enfermeiro contribui para a tarefa de gestão, acredita que sua experiência no exterior, como intercambista na Clariton University (EUA), a preparou para assumir a posição com tão pouca idade. “Acho que eu não teria a mesma visão e a mesma maturidade para encarar a profissão de uma forma diferente, como faço hoje”, reforça. Além do cargo de gestora, assume também a função de mestranda e pesquisadora no Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Goiás.

Para quem está entrando agora, a decisão de trazer egressos foi considerada um acerto. “Traz uma realidade mais próxima de nós. Imagino que se eles conseguiram, a gente pode ser capaz de conseguir também, saindo do mesmo lugar”, comentou o calouro Guilherme Lustosa, 17, que tem entre suas metas o trabalho com urgência e emergência.