Compartilhar, , Google Plus, Pinterest,

Imprimir

Publicado em:

PDH realiza mesa-redonda sobre cultura da paz

Durante evento, livro que traz estudo sobre recepção de imagens violentas será lançado  

O Programa de Direitos Humanos (PDH) da PUC Goiás realiza nesta quinta-feira, 15, mesa-redonda sobre cultura da paz e o lançamento do livro A face obscura da esfinge midiática: estudo de recepção junto a adolescentes, da profa. Núbia Simão Cunha, membro do programa e docente da Escola de Comunicação. A obra discute junto a adolescentes em conflito com a lei a recepção de imagens e informações de violência. O evento ocorre em dois horários: às 8h e às 19 horas, no mini-auditório 207-B, no Câmpus V.

A mesa abordará a superação da violência por meio da promoção da cultura da paz, em consonância com a Campanha da Fraternidade 2018, que apresenta o tema Fraternidade e superação da violência e o lema Em Cristo somos todos irmãos (Mt 23,8). Além da profa. Núbia, a profa. Ana Carolina Rocha Temer, do mestrado em Comunicação da Universidade Federal de Goiás (UFG), que assinou o prefácio da obra, fará parte da mesa.

Cultura da paz

As professoras Núbia Simão e Ana Carolina Temer falarão sobre o papel da mídia na história da sociedade brasileira e na construção da cultura da paz, pensamentos, palavras e atos de superação da violência. De acordo com a professora Núbia, “por meio de signos e sinais, a mídia constrói e transforma imagens e realidades. Nesse processo, o receptor é um usuário crítico, que ressignifica e transforma as mensagens midiáticas. Em um momento em que dados apontam o crescimento de assassinatos entre jovens e de crimes praticados por esse grupo etário, números indicam o aprofundamento das desigualdades sociais. Diante desse contexto surgem inúmeras reflexões, entre elas, como se dá a recepção das imagens e informações de violência”.

Ainda segundo a autora, o aumento da criminalidade no Brasil possibilitou que um leque de imagens e informações de violência ganhasse espaço, de maneira generalizada, nos mais variados horários da televisão brasileira. “Hoje são comuns os programas do gênero popular trazer relato das infrações penais. Um dos problemas dessa transmissão, sem precedentes, de imagens e informações da violência, é como jovens em conflito com a lei percebem tal construção imagética e de informações, que é quase sempre transmitida de forma difusa e desordenada”, pontua Núbia.

A influência da mídia na percepção da violência por jovens em conflito com a lei, por meio da conformação de representações da violência pela televisão, é o objeto do livro que será lançado durante a mesa redonda que discutirá a superação da violência. A mesa proporá um diálogo sobre as possibilidades de influência da mídia, enquanto colaboradora de identidades coletivas e no processo de superação da violência. (Com informações de Eliani Covem)