Compartilhar, , Google Plus, Pinterest,

Imprimir

Publicado em:

Acadêmicos iniciam primeira edição da Semana da Mulher

Organizado pelo Centro Acadêmico de História, evento possibilita debates sobre os desafios da mulher na sociedade contemporânea

© by Weslley Cruz

As diversas formas de existir e resistir como mulher em nossa sociedade ganharam o debate na noite desta terça-feira, 6, no Auditório da Escola de Formação de Professores e Humanidades da PUC Goiás com a abertura da 1ª Semana da Mulher, iniciativa do Centro Acadêmico do curso de História (C.A. Sérgio Buarque de Holanda).

Tendo como tema central A presença da mulher na política e nos movimentos sociais, a noite contou com reflexões da professora doutora Lúcia Rincón, da PUC Goiás, a mestranda Gabrielle Andrade de Silva e da egressa e ex-presidente do C.A., Júlia Machado.

“É importante que o Dia das Mulheres [historicamente comemorado no dia 8 de março] seja visto como dia de luta, de lembranças. Essa mobilização dentro da universidade é fundamental”, lembrou a professora Lúcia Rincón.

A docente ainda alertou os presentes sobre a importância de pautar as discussões levando em conta, sempre, o seu contexto. “Falamos de um momento muito complicado, onde pensar a democracia é uma preocupação fundamental, porque é só nela que conseguiremos buscar a igualdade”, frisou.

Convidada a falar sobre o movimento estudantil, a egressa Júlia Machado destacou a importância da participação política dos estudantes para sua formação cidadã. “O movimento estudantil tem tudo para ser uma ferramenta de debate. Isso inspira nas pessoas o civismo mesmo. Se algo importante ainda não está sendo, é importante saber como reivindicar”, constatou.

Primeira edição

Curso com número equilibrado de homens e mulheres, a graduação em História tem, desde o ano passado, um C.A. com chapa majoritariamente feminina, levantando importantes questões de representatividade que, antes, não ainda não ganhavam a mesma proporção. “Os alunos da História querem debater essas questões mais progressistas mesmo. É o perfil do curso. E a universidade entra com esse apoio nesse evento, que é um exercício deles”, constatou o coordenador do curso, professor Ivan Vieira.

Para a presidente do C.A., Thainá Alves, o evento é uma forma importante de levantar debates fundamentais aos acadêmicos, futuros professores. “É importante para pensar como o professor pode trabalhar a questão em sala de aula. Um evento para exercitar e desenvolver essa consciência de combate ao machismo”, pontuou.

A programação segue até sexta-feira, 9, com mesas-redondas, minicursos e grupos de discussão no miniauditório 406 da Escola.

  • DSC_2200
  • DSC_2142
  • DSC_2222
  • DSC_2189
  • DSC_2242
  • DSC_2153
  • DSC_2164
  • DSC_2181
  • DSC_2185
  • DSC_2187
  • DSC_2208
  • DSC_2172
  • DSC_2218
  • DSC_2126
  • DSC_2186
  • DSC_2224
  • DSC_2226
  • DSC_2227
  • DSC_2230
  • DSC_2235
  • DSC_2188
  • DSC_2237
  • DSC_2241

Fotos: Weslley Cruz