Compartilhar, , Google Plus, Pinterest,

Imprimir

Publicado em:

Evento internacional discute política e gestão na educação

Com mais de 900 inscritos, a PUC Goiás abriu nesta quarta-feira, 14, programação internacional sobre política e gestão da educação. O V Congresso Ibero-Americano de Política e Administração da Educação e o VIII Congresso Luso-Brasileiro de Política e Administração da Educação são realizados conjuntamente até sexta-feira, 16, com participação de pesquisadores e graduandos do Brasil, Portugal e Espanha.

O tema Política e Gestão da Educação: discursos globais e práticas locais foi tratado na conferência de abertura com a pesquisadora portuguesa, Mariana Dias, professora da Escola Superior de Lisboa e presidente do Fórum Português de Administração Educacional, que realiza o evento junto com a Associação Nacional de Política e Administração da Educação (Anpae) e o Fórum Europeu de Administradores da Educação na Espanha (FEAE). “Somos países irmãos com problemas diferentes, mas que fraternamente podem se ajudar”, afirmou ela, dizendo que as soluções estão na discussão e na busca conjunta.

Política

Segundo o coordenador geral do evento, João Ferreira de Oliveira, que também é professor da Universidade Federal de Goiás, a programação reforça uma agenda colaborativa entre os países na discussão da educação. Ele citou o retrocesso das últimas decisões no Brasil neste campo e a necessidade de união em frente aos desafios da democratização. Até sexta-feira, palestras, oficinas e mesas-redondas compõem a programação, que voltará a acontecer em 2018, na Espanha.

Presente na abertura, a professora Olga Izilda Ronchi, vice-reitora da PUC Goiás, recebeu convidados e visitantes e incentivou as discussões que serão realizadas durante a programação. “A universidade acolhe os desafios propostos por este evento. Fazer a gestão enquanto instrumento de educação”, afirmou ela.

Ainda em seu discurso de abertura, a vice-reitora afirmou a importância da temática central do evento ao pensar a educação como tema global, mas a ação voltada para o local. “Temos que formar cidadãos do mundo, que valorizem as pessoas humanas. Temos que superar a corrida individualista que impede de ver o outro e as necessidades do outro”.

Confira aqui a programação completa.