Compartilhar, , Google Plus, Pinterest,

Imprimir

Publicado em:

Universidade conclui cursos com educadores da rede municipal

Formação capacitou professores e funcionários das secretarias municipais de Educação e Esporte (SME) e de Assistência Social (Semas)

© by Jota Junior

Os programas da Coordenação de Extensão (Cdex) da PUC Goiás concluíram, nesta semana, os cursos de Educação e Direitos Humanos e Drogadição, violência e suas implicações no contexto educacional. A capacitação foi realizada com professores e funcionários da rede municipal, por meio de parceria com as secretarias municipais de Educação e Esporte (SME) e de Assistência Social (Semas).

No curso de drogadição, conduzido pelo Programa em Nome da Vida (PNV), foi encerrado na noite da terça-feira, 12, com a apresentação das propostas de trabalho dos 15 concluintes. Participaram da formação gratuita professores e funcionários ligados à educação de jovens e adultos (EAJA), de crianças (CMEIs) e assistentes sociais do Programa de Saúde da Família. “Foi um ganho muito grande para a nossa secretaria”, comemorou o professor Marcelo Benfica Marinho, da Gerência de Formação dos Profissionais da Educação, entidade ligada à SME.

Na tarde de quarta-feira, 13, foi a vez da turma de Educação e Direitos Humanos encerrar seu último módulo, com a roda de conversa O ECA como política pública para a infância e a adolescência. “Está sendo muito positivo porque nosso objetivo maior era descontruir o senso comum”, explica o professor Adilson Alves da Silva, do Programa de Educação e Cidadania (PEC). O curso também contou com módulos de todos os componentes do Programa de Direitos Humanos (PDH), do Programa em Nome da Vida (PNV), do Programa de Gerontologia Social (PGS), do Programa de Referência em Inclusão Social (Pris) e do Programa Sócio Ambiental e de Economia Solidária (Prosa).

“Estou na rede municipal há 25 anos e sempre frequento cursos de atualização. Esse foi um dos que eu mais me identifiquei em todo esse tempo, um dos que mais ampliaram mesmo o meu conhecimento”, explica a professora do ciclo 2, Regina Rodrigues Pereira dos Santos. “Eu chegava nas minhas escolas fazendo propaganda. É uma iniciativa que precisa continuar”, diz, enquanto o resto da turma discute o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Para o coordenador de Extensão (Cdex) da universidade, professor Leônidas Albano, a iniciativa piloto foi um sucesso e deve ser revista e ampliada para a criação de novas turmas. “Acredito que todas as propostas se relacionam e podem ser unidas. Queremos que continue, porque é uma formação com motivo. Algo que possibilita a difusão, para que sejam multiplicadores. O trabalho não para aqui”, lembra.