Compartilhar, , Google Plus, Pinterest,

Imprimir

Publicado em:

PUC Goiás dirige rede internacional de projetos educativos para idosos

RIPE +50 foi formalizada ontem, em Lisboa, e tem direção conjunta de instituições de três países

© by Divulgação

Foi formalizado na segunda-feira, 30, em Lisboa, Portugal, um acordo para a criação da Rede Internacional de Projetos Educativos para Maiores de 50 anos (RIPE +50), durante a 2ª Conferencia Cientifica Internacional de Projetos Educativos para Seniores. A Rede reúne instituições de 12 países, sendo o Programa de Gerontologia Social (PGS) da PUC Goiás, responsável pela Universidade Aberta à Terceira Idade (Unati), o único representante brasileiro da lista.

Além de representar o Brasil, a PUC Goiás também assumiu a direção da RIPE +50, juntamente com a Universidade da Corunha (Espanha), a Federação Galega de Associações Universitárias Seniores (Espanha) e a Rede de Universidades Seniores (Portugal). Atua em nome da PUC Goiás a coordenadora do PGS, Lisa Valéria Vieira Torres; em nome da Universidade de Corunha, Maria Pilar García de la Torre; já a Federação Galega tem Alejandro Otero Davila como representante; e a Rede de Universidades Seniores (Rutis), tem Luis Jacob, seu fundador-presidente.

A organização da RIPE +50 é feita pela Rutis, instituição com sede em Portugal que propôs, durante a primeira edição da conferência, realizada no Porto, em fevereiro, a estruturação da rede de pesquisadores e instituições.

Professora Lisa Torres, coordenadora do Programa de Gerontologia Social da PUC Goiás

Além de representar a universidade no acordo, a professora Lisa Valéria Vieira Torres apresenta, no evento, o projeto O digital aproxima-nos: uma ação artístico-educativa para motivação ao uso de meios digitais – documento que será um direcionador para a Unati, a partir de 2018.

“A PUC Goiás na RIPE +50 representa um avanço importante na direção de uma internacionalização e da ampliação de possibilidades de captação de recursos para o desenvolvimento de projetos que têm foco nas populações vulneráveis, como é o caso dos idosos”, pontuou.

A coordenadora também comemorou a ampliação do alcance das atividades extensionistas e de pesquisa da PUC Goiás com essa oportunidade. “Neste rumo ao Jubileu de Diamante, a PUC Goiás conquista expressões em outros países que envolvem a pesquisa no ensino e na extensão, como ocorreu conosco neste mês de outubro, por meio da atividade de formação de gestores e de profissionais no Museu de Biscainhos, em Braga, Portugal”.

Completando 25 anos no dia 1º de dezembro, a Universidade Aberta à Terceira Idade da PUC Goiás é um dos projetos permanentes de extensão mais antigos da instituição. Atende, atualmente, pessoas com idade igual ou superior a 60 anos. Além da Unati, o PGS é responsável também por projetos que interligam ações com idosos dentro e fora da universidade.

Compartilhando experiências

Em 2016, a PUC Goiás recebeu o fundador da Rede de Universidades da Terceira Idade (Rutis), professor Luís Jacob, que comentou semelhanças e diferenças entre os modelos de universidades para este público no Brasil e em Portugal.

“Nós, em Portugal, temos dois milhões de idosos para um total de 10 milhões de habitantes. Sei que isso é um bairro de São Paulo”, brincou. “Mas o fato é que temos 20% da nossa população idosa. No Brasil, são 9%”, completou. No país europeu, as universidades seniores são coordenadas por associações. Por aqui, os projetos são ligados às universidades tradicionais.

Saiba mais sobre a visita do professor e sobre a experiência portuguesa clicando aqui.