Compartilhar, , Google Plus, Pinterest,

Imprimir

Publicado em:

Novo acordo entre PUC Goiás e Fieg fortalece construção civil

Projeto Aprimore criará oportunidades para acadêmicos de Engenharias atuarem em estágios e pesquisas na indústria

© by Wagmar Alves

A PUC Goiás e a Federação das Indústrias do Estado de Goiás (Fieg) assinaram nesta segunda-feira, 30, acordo de cooperação para a atuação de acadêmicos em estágios regulares e de férias em empresas do ramo da construção civil. Conhecido como Projeto Aprimore, a iniciativa conjunta da Câmara da Indústria da Construção (CIC) da Fieg, da Escola de Engenharia da PUC Goiás e do Instituto Evaldo Lodi (IEL) tem como objetivo principal estimular a criação de vagas e a promoção de pesquisas com foco em inovação, voltadas para a indústria da construção.

“Esse termo de cooperação vem possibilitar um estreitamento entre as duas instituições, possibilitando que nossos alunos possam encontrar estágio com mais facilidade e, por outro lado, que as empresas possam ter um estudante de Engenharia dentro de suas instituições, para que a gente possa, inclusive, resolver problemas da indústria”, frisou o diretor da Escola, professor Fábio Simões.

Foto: Wagmar Alves

Comemorando o acordo, o reitor Wolmir Amado frisou a importância da ciência e da tecnologia para a sociedade e destacou a importância da aproximação com a indústria no fortalecimento do país. “Estamos na hora do salto (na ciência). Para isso, é preciso investimento”, ponderou, lembrando o Dia C da Ciência, realizado neste mês de outubro. “Essa assinatura é mais que a formalização de um convênio de estágio. Estamos falando da formação de gente. Significa aproximação, capacitação”, lembrou.

“Defendo muito essa aproximação com a universidade”, disse o presidente da Fieg, Pedro Alves de Oliveira, aos colegas da indústria, frisando ainda sua fé na educação como base para a transformação do país. “O estágio é uma oportunidade eficiente para auxiliar a formação desses jovens, para criar oportunidade para a juventude”.

Pelo menos 50% dos acadêmicos dos cursos de Engenharia Civil, Engenharia de Produção, Engenharia Elétrica e Engenharia de Controle e Produção (Mecatrônica) da universidade devem ser beneficiados com o projeto.