Compartilhar, , Google Plus, Pinterest,

Imprimir

Publicado em:

Educandos do Pris iniciam aulas do Projeto Infantil Gastronômico (PIG)

Aulas de gastronomia trabalham, de forma lúdica, o desenvolvimento de habilidades sociais

© by Jota Junior

A tarde desta terça-feira, 17, foi especial para os educandos do Projeto Alfadown, iniciativa ligada ao Programa de Referência em Inclusão Social (Pris) da universidade. Reunidos no terceiro andar da Escola de Formação de Professores e Humanidades, no Setor Universitário, uma turma com 30 educandos do projeto e voluntários participaram da primeira atividade prática do Projeto Infantil Gastronômico, o PIG.

Por meio de atividades lúdicas, o PIG pretende estimular nos educandos habilidades sociais e disciplina. “A Gastronomia é algo que está em destaque na nossa sociedade, então estamos aproveitando para trazer o lúdico para eles, trabalhando com cores, texturas e formatos”, explica o professor responsável pela atividade e idealizador do projeto, o chef Alessandro Silva.

Foi apenas a primeira atividade prática, mas a ideia agradou a meninada. Em pratos descartáveis, cada um usou a imaginação para usar o espaço como uma tela branca. Pedaços de uva, morango, quiuí, manga, cenoura, mexerica, melão, mamão e outras frutas ajudaram na composição. Enquanto andava pela sala conferindo com cada um os pratos desenvolvidos, Alessandro se surpreendeu com uma das respostas. Uma educanda utilizou as frutas para compor um rosto de mulher no prato. Nas bochechas, morangos. “É blush!”, recebeu como resposta. Impossível não se encantar.

Coordenadora do Pris, a professora Juliana Hannum acompanhou toda a atividade. O momento, conta, está dentro de um projeto maior, o Pris na Comunidade, e foi antecedido por treinamentos e reuniões com os alunos voluntários. “É uma forma muito boa de trabalhar a questão da alimentação saudável, da conservação dos alimentos, da responsabilidade compartilhada, de metas, regras e preparos de alimentos de forma adaptada”.

Para a aula, os alimentos são cortados previamente pelos voluntários. Os educandos não são expostos a objetos cortantes e nem ao fogo. O foco é trabalhar mesmo com o lúdico. “Essas atividades são importantes para desenvolver a autonomia deles, além de ser uma plataforma para a interação de uns com os outros”, ressalta a coordenadora do Alfadown, Luciana Novais.

Ao final da atividade, os pais dos educandos foram convidados a participar, conferindo o trabalho desenvolvido pelos filhos. O Projeto Aprender a Pensar, outro projeto permanente de extensão ligado ao Pris, também desenvolve a atividade neste semestre.