Compartilhar, , Google Plus, Pinterest,

Imprimir

Publicado em:

Evento interdisciplinar mistura debates e experiências artísticas na universidade

Iniciativa Politeia reuniu acadêmicos no Teatro PUC

© by Jota Junior

Encontros para debater direitos humanos utilizando linguagens artísticas como suporte: essa é a proposta da Iniciativa Politeia, criada em conjunto pro professores dos cursos de Direito, História e Relações Internacionais da PUC Goiás. O primeiro evento foi realizado nesta quarta-feira, 4, tendo como tema principal Violência e Direitos Humanos, no Teatro PUC, no Câmpus V.

A linguagem da vez, foi o teatro, com a peça Baseado na vida: a saga de João de Santo Cristo, do Grupo de Teatro Arte & Fatos, da Coordenação de Arte e Cultura (CAC). A apresentação foi a estreia oficial da peça na universidade. “É um texto que escrevi há muito tempo e que estava guardado. No momento atual do Brasil, percebi que poderia atualizar questões e teríamos algo ainda muito contemporâneo”, explica o dramaturgo e diretor do grupo, Danilo Alencar. O espetáculo é inspirado na composição de Renato Russo: Faroeste Caboclo, música que ganhou o país com o Legião Urbana. A obra tem o apoio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Goiânia e está sendo apresentada em escolas e espaços públicos, de forma gratuita. Nos dias 7 e 8 de novembro, o espetáculo será aberto ao grande público com apresentações no Teatro Sesc.

Novas formas de dizer

Para o professor Danillo Alarcon, coordenador do curso de Relações Internacionais, o objetivo é congregar a comunidade acadêmica em debates mais livres dos cânones teóricos. “Queremos que os alunos vejam de um jeito diferente essas questões, trazendo novas abordagens”, explica.

Um dos idealizadores, o professor Cleiton Ricardo das Neves comenta o novo formato, que é uma variação dos debates que já foram feitos pelo grupo, sempre utilizando mostras de filmes como recurso. “É uma forma lúdica de contato, uma ponte entre a teoria e a práxis. Também possibilita múltiplos enfoques para o debate”, defende.

A intenção é que os encontros ocorram ao menos semestralmente, utilizando diferentes linguagens artísticas como o teatro, a dança, a pintura, a poesia e a música. A ação deve atingir diferentes espaços da universidade, não ficando restrito aos acadêmicos dos três cursos.