Compartilhar, , Google Plus, Pinterest,

Imprimir

Publicado em:

Conferência aborda ensino social da Igreja

Evento destacou encíclica Laudato Si’ e pronunciamentos feitos pelo papa Francisco, analisando seus posicionamentos frente a problemas da atualidade

© by Jota Junior

Documentos que formam a doutrina social da Igreja Católica, como as encíclicas, estiveram no centro dos debates na noite desta sexta-feira, 18, na 18ª edição do Papo ao pé da mesa, realizado no Centro Loyola. Com o tema O ensino social da Igreja à luz do pontificado do papa Francisco, a conferência foi ministrada pelo reitor da PUC Goiás, prof. Wolmir Amado. “Uma fé sem desdobramentos sociais, econômicos, políticos e ambientais não é autêntica, porque toda fé tem consequências para o mundo”, frisou.

O gestor da universidade lembrou que a doutrina social tem longa tradição – remonta às origens do Cristianismo – e que ganhou formato especial a partir do século XIX, com as encíclicas. Esses documentos abordam temas diversos correspondentes a cada realidade e a cada tempo histórico. “Queremos olhar o tempo atual, essa segunda década do século XXI, e o pontificado do papa Francisco, com seu ensinamento social”, explicou, referindo-se à Laudato Si’, encíclica lançada em 2015 pelo papa e que aborda o cuidado com a casa comum.

Wolmir destaca que o ensino social do pontífice também está presente sem seus pronunciamentos diversos, em que aborda temas como as migrações, se posicionamento de modo enfático sobre os problemas do tempo atual. “Nós queremos aprofundar as ênfases apontadas por esse pontificado à luz da doutrina social”, explica.

Acolhida e reflexão

Obra da Companhia de Jesus, o Centro Loyola tem a missão de promover o diálogo entre fé cristã e cultura à luz da espiritualidade inaciana. “Nosso espaço é de formação do leigo e sabemos do trabalho do prof. Wolmir com o laicato”, afirma a diretora-executiva do espaço, Maria das Dores Carvalho.

Ela ressalta que o Centro recebe um público diferente do que frequenta as paróquias, formado, em sua maioria, por pessoas afastadas da Igreja, mas que têm o desejo de participarem de discussões do campo religioso. “Aqui, elas encontram um lugar de acolhida e de reflexão”, diz.

 

(Texto: Diene Batista e Gabriel Araújo, estagiário da Dicom)