Compartilhar, , Google Plus, Pinterest,

Imprimir

Publicado em:

Educação Física abre ciclo de palestras sobre exploração sexual

Atividade mobiliza alunos das licenciaturas da PUC Goiás, neste mês, e destaca papel do professor em torno do tema

© by Geovanna Lemes

A apresentação de uma pesquisa sobre violência sexual envolvendo crianças e adolescentes de escolas de Goiânia aos alunos de Educação Física da PUC Goiás abriu na noite desta terça-feira (16) ciclo de palestras sobre o assunto. O evento faz parte das mobilizações do Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, celebrado em 18 de maio, que envolverão todos os cursos da Escola de Formação de Professores e Humanidades (EFPH) da instituição.
O trabalho foi desenvolvido pelas professoras do curso de Psicologia da universidade, Margareth Regina, que também é psicóloga da Escola de Circo Dom Fernando (ECDF) e Lidiane de Oliveira.

A fase da coleta de dados foi encerrada no ano passado e agora os pesquisadores estão realizando intervenções nas escolas em que questionários foram aplicados. O estudo analisou a ocorrência de vários episódios de vitimização – experiências envolvendo violência tanto no ano anterior à pesquisa e quanto ao longo da vida. Respectivamente, a violência sexual apareceu entre 31,3% e 30,4% dos 504 entrevistados, ocupando o 5º lugar entre as categorias analisadas. “É o menor percentual, mas o que mais tem chances de provocar problemas ao longo da vida”, explicou Margareth Regina.

Parceria
O diretor da EFPH, prof. Romilson Siqueira, explicou que o ciclo de palestras faz parte de uma opção política pela defesa dos direitos da criança e do adolescente. “Nenhum aluno que passa por essa escola pode deixar de debater esse tema. O professor é uma agente de mudança nessa sociedade em que convivemos todos os dias com essas situações de abuso”, refletiu.

Ele também destacou a parceria entre a Escola e o Instituto Dom Fernando (IDF) para a realização do ciclo de palestras. Segundo o assessor do IDF e pesquisador sobre o tema, prof. Rogério Araújo, hoje o Instituto promove quatro ações ligadas à temática de crianças e jovens. Duas na região Leste de Goiânia: Escola de Formação da Juventude (EFJ) e Escola de Circo Dom Fernando; e duas na região Noroeste: Centro de Estudo, Pesquisa e Extensão Aldeia Juvenil (Cepaj) e Centro de Educação Comunitária de Meninas e Meninos (Cecom).

O coordenador do curso de Educação Física, Isaías Moreira, ressaltou a importância das temáticas sociais que estão se desdobrando ao longo dos últimos anos. Além da preparação para a atuação, na visão dele, os assuntos podem ser cobrados em provas como o Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade). “Estamos conseguindo trazer para o curso uma discussão muito emergente e importante neste momento”, frisou.

18 de maio
Neste dia, em 1973, a menina Araceli Crespo, então com 8 anos foi sequestrada, violentada e cruelmente assassinada. O caso aconteceu em Vitória, no Espírito Santo. Seu corpo apareceu seis dias depois, carbonizado e os seus agressores nunca foram punidos. Com a repercussão do caso, e forte mobilização do movimento em defesa dos direitos das crianças e adolescentes, 18 de maio foi instituído como o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes.

  • 170516 - Ciclo de plalestras sobre exploração sexual - GL (1)
  • 170516 - Ciclo de plalestras sobre exploração sexual - GL (2)
  • 170516 - Ciclo de plalestras sobre exploração sexual - GL (3)
  • 170516 - Ciclo de plalestras sobre exploração sexual - GL (4)
  • 170516 - Ciclo de plalestras sobre exploração sexual - GL (5)
  • 170516 - Ciclo de plalestras sobre exploração sexual - GL (6)
  • 170516 - Ciclo de plalestras sobre exploração sexual - GL (7)
  • 170516 - Ciclo de plalestras sobre exploração sexual - GL (8)

Fotos: Geovanna Lemes