Compartilhar, , Google Plus, Pinterest,

Imprimir

Publicado em:

Sustentabilidade urbana é tema de palestra na PUC Goiás

Egressa do curso de Arquitetura e Urbanismo e professora da Universidade de San Diego (EUA), Daniele Horton trabalhou o assunto com centenas de estudantes e profissionais

© by Wagmar Alves

“A previsão é de sermos nove bilhões de habitantes até 2050. Nós temos apenas um planeta Terra”. Com essa afirmação, a arquiteta e professora da Universidade de San Diego (EUA), Daniele Horton, alarmou o lotado Auditório 1 da Área 2 da PUC Goiás, no Setor Leste Universitário, na segunda-feira, 27. Ela retornou à universidade onde se graduou, após anos, para falar de um assunto que, mais que uma tendência, é uma necessidade cada vez maior: os avanços globais em sustentabilidade urbana e de edificações.

Além do panorama global preocupante, a professora, que planeja o lançamento de um livro sobre sustentabilidade e um site colaborativo para 2018, apresentou exemplos para solucionar o problema repensando as cidades e adaptando edificações, além de apresentar tendências que podem contemplar o mercado brasileiro.

“Estamos chegando a um ponto sem retorno. A maioria dos pesquisadores concorda que é nossa responsabilidade o que tem acontecido”, pontua. Com larga experiência em green building consulting, administrando cerca de 2.600 prédios com o conceito, a arquiteta é fundadora e presidente da Verdani Partners e do Verdani Institute for the Built Environment (VIBE), organização sem fins lucrativos criada para o fomento à resiliência e com foco em ações educativas pensando os mercados brasileiro, indiano e chinês.

“Ela tem uma vasta experiência internacional e traz, hoje, exemplos do que pode ser feito para reduzir impactos. Em Goiânia, agora que estamos caminhando. Seria um passo para os estudantes já terem essa visão, difundir esse pensamento”, explica a professora da Escola de Artes e Arquitetura da universidade, Luciana Cortes Japiassu.

Sediado na PUC Goiás, o evento é uma promoção conjunta da universidade, por meio das escolas de Artes e Arquitetura e de Engenharia, do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Goiás (Crea-GO), do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Goiás (CAU/GO), da Universidade Federal de Goiás (UFG) e da VIBE.