Compartilhar, , Google Plus, Pinterest,

Imprimir

Publicado em:

Zaira Turchi assume Confap

Presidente da Fapeg é a primeira mulher a presidir a entidade nacional; gestão abrange biênio 2017-2019

© by http://Divulgação

A presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg), Maria Zaira Turchi, é a nova presidente eleita do Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap). Ela já atuava como vice-presidente da entidade nos últimos dois anos e foi eleita por aclamação, nesta sexta-feira (10) pelos presidentes das Fundações de Amparo à Pesquisa (FAPs) presentes na reunião do Fórum Confap, em São Paulo (SP). Ela é a primeira mulher a assumir a presidência da entidade – das 26 Fundações, apenas duas são presididas por mulheres.

A nova gestão será compartilhada com o presidente da Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado da Paraíba (Fapesq), Cláudio Furtado, que assume a vice-presidência da entidade. O mandato será de dois anos – março de 2017 a março de 2019 – e deverá manter uma política de continuidade e expansão das ações que têm sido desenvolvidas nas duas últimas gestões do Conselho – Sergio Gargioni (2013-2017) e Mário Neto Borges (2009-2013).

Propostas
As ações da nova gestão do Confap serão pautadas por cinco pontos fundamentais na proposta de metas e no plano de ações apresentados pela nova diretoria. São eles: a consolidação do Sistema Nacional de CT&I; maior articulação entre as FAPs; o fortalecimento e ampliação das ações de internacionalização do Confap e das FAPs; a consolidação do novo arcabouço legal em CT&I; e a questão da difusão científica e popularização da ciência.

Para Zaira Turchi, a perspectiva para a gestão que se inicia é ampliar e consolidar as parcerias já estabelecidas. “O Confap, hoje, tem uma capilaridade enorme e uma força de articular as fundações no sistema nacional de Ciência e Tecnologia. Essa possibilidade de articulação nacional tem atraído organismos internacionais em busca de parcerias com a entidade. Há várias ações já acordadas que devem ser implementadas nesses acordos internacionais e há novas possibilidades de arranjos que surgem com esses organismos e com as agências federais, como CNPq, Capes e Finep, entre outros. São novas oportunidades para os estados”, ressaltou.
(Com informações da assessoria de imprensa da Fapeg)